Justiça de São Paulo decide reciclar lixo diário

Papel Reciclado

[foto retirado do site da FUGS]

“O Judiciário paulista produz, somente na capital, mais de 620 mil litros de lixo por dia.”

Confesso que fiquei boquiaberta ao me deparar com este número, e mais ainda ao saber que nenhuma iniciativa havia sido tomada até o momento visando à redução e ao reaproveitamento/reciclagem dos materiais descartados. Eu disse material descartado, e não lixo!

Costumamos chamar de lixo tudo aquilo que não nos serve mais e jogamos fora, mas se pararmos para pensar, muito do que jogamos fora e consideramos sem valor pode ser reaproveitado por outras pessoas. Os materiais que ainda podem ser usados para outros fins, mesmo depois de serem descartados, são chamados de materiais reaproveitáveis; já aqueles que precisam ser descartados, mas após sofrerem transformações podem novamente ser usados são denominados materiais recicláveis.

O Brasil produz cerca de 240 mil toneladas de “lixo” diariamente, sendo que apenas 2% deste total é reciclado! Por que? Porque reciclar é 15 vezes mais caro do que jogar o “lixo” em aterros. Existem vários problemas relacionados ao descarte de “lixo” em aterros: regiões próximas a aterros são desvalorizadas; lugares para esta destinação estão tornando-se escassos (como o Jonny sempre me fala, além da produção, outro grave problema é a compactação do “lixo”), materiais que poderiam ser reciclados misturam-se com materiais orgânicos, impossibilitando sua reutilização; o material orgânico acumulado e degradado produz o chorume, um líquido que penetra no solo, podendo atingir áreas de mananciais e contaminar a água que abastece nossas casas; além disso, estes locais são potenciais incubadoras de inúmeras doenças, transmitidas principalmente às pessoas que subsistem às custas dos materiais ali recolhidos (os catadores, inclusive crianças). Devido a estes problemas, a reciclagem tem sido amplamente divulgada na mídia e nas escolas como uma alternativa para contornar a questão do “lixo”.

Entretanto, a reciclagem é um processo caro, há materiais que não podem ser reciclados e outros que perdem as propriedades originais depois de reciclados algumas vezes. Outro ponto a ser considerado é a necessidade de implatação da coleta seletiva (não é qualquer um que se dispõe a ir até o Pão de Açúcar mais próximo de sua casa para levar as sacolinhas com material reciclável) e, para que ela seja efetiva, de conscientização da sociedade sobre a importância da reciclagem, dos benefícios para esta e as futuras gerações. E por último, vamos acrescentar mais um R à queles 3 famosos (Reduzir, Reutilizar e Reciclar): a palavra da vez deve ser Repensar! Repensar nossos hábitos consumistas e nossa relação com o meio ambiente, não somos a outra metade, somos parte dele!

Compartilhe este texto via Orkut Compartilhe este texto via Facebook Compartilhe este texto via Twitter Compartilhe este texto via UEBA

2 Comments so far

  1. Jonny Ken Itaya on June 4th, 2007

    Sobre a compactação do lixo, é que as pessoas esquecem de compactar seu lixo, fazendo com que a relação massa/volume jogado seja muito menor do que um saco poderia comportar! O caminhão de lixo compacta ele de qualquer jeito, mas quando esse lixo é simplesmente esquecido, o lixo acumulado tende a ficar com um volume gigantesco!

  2. jose.bonomi on June 8th, 2007

    Oi amandita
    sim, maneira a ideia de reciclagem. Aqui nas zuropa tem uns conteiners coloridos gigantes onde a galera atira o lixo, um de cada cor (vd vidro, azul papel, e amarelo envases) e a galera respeita até q…
    respeita bem mais q ae. É questao cultural e educacional. Ressaltemos q, a martaxa (apesar de muita gente a odiar), foi quem começou a parada da reciclagem em sampa. E q joselito´s q começou com as caixas brancas da sala da pós, as quais ate onde eu sei ainda sao funcionais. Eu depois q me acostumei a separar papel e plastico acho estranherrimo jogar isso no lixo comum. To doido? acho q nao, ou se estou, q todos se tornem como eu, q a naturaleza agradece
    bjs

Leave a reply