PL 520/07 e gestão do lixo

Córregos cheio de garrafas pets

(retirado do site da UFRRJ)

Saiu hoje na Agência Câmara uma notícia sobre um projeto de lei proíbe o uso de garrafas PET para alimentos e bebidas.

Trata-se do PL 520/07 proposta pelo Deputado Jovair Arantes. Entre suas justificativas o deputado chama atenção para o fato de que esse tipo de embalagem é um dos maiores problemas no que diz respeito à gestão de resíduos sólidos nas áreas urbana; salienta o enorme tempo que esse tipo demora para se decompor; trata da relação entre os hábitos inadequados da população no trato desse lixo que acaba levando ás enchentes, alagamentos, etc. O deputado apresenta dados de 2002 segundo os quais apenas 26% das embalagens PET produzidas pelo Brasil eram recicladas.

Além disso, é mencionado que o problema pode ser agravado caso o interesse das industrias de cerveja de substituir suas embalagens de alumínio e vidro pelas de plástico seja concretizado, assim, ele nos explica:

Entendemos que o Brasil deve caminhar no sentido inverso, de promover o consumo sustentável, induzindo as indústrias e a população a utilizar materiais que sejam biodegradáveis ou que possam ser reutilizados com facilidade, como é o caso do vidro.

As garrafas retornáveis de vidro são 20% mais baratas e apresentam vantagem competitiva para a indústria, pois o consumidor tende a ser fiel ao produto da embalagem que já possui. Muitos consumidores deixam de comprar produtos embalados em recipientes retornáveis simplesmente porque não os encontram nos supermercados.

Além disso, ainda que a garrafa PET possa ser reciclada, não pode ser simplesmente reutilizada, pois o material têm que passar por novo processo industrial. O PET já usado não pode sequer ser empregado na produção de novas embalagens de alimentos (…) a elaboração de embalagens e equipamentos destinados a entrar em contato com alimentos deve ser feita com material virgem, sendo proibido o uso de materiais provenientes de embalagens já utilizadas. vidro, ao contrário, possui um ciclo fechado. As garrafas podem ser simplesmente lavadas, higienizadas e reutilizadas. Os cacos podem ser novamente usados para produção de recipientes com o mesmo fim.

A primeira coisa que eu pensei com esse trecho foi que eu realmente não gostaria de comprar alimentos com embalagem feita de plástico reciclado, talvez eu esteja completamente enganada (mas talvez não, porque afinal isso é proibido) mas não me parece um processo muito higiênico.

Apesar dos dados informados pelo deputado devo admitir que eu não deixo de comprar alimentos de recipientes retornáveis simplesmente porque não encontro no supermercado, eu acho muito pouco prático. Me lembro quando eu era pequena que minha mãe tinha lá em casa umas caixas com garras de vidro que nós trocávamos no supermercado, era um baita entulho e era um saco ter que ficar carregando a garrafa toda vez que ia comprar refrigerante.

Será que não tem uma maneira de resolvermos o problema que combine consciência ecológica com praticidade?

Compartilhe este texto via Orkut Compartilhe este texto via Facebook Compartilhe este texto via Twitter Compartilhe este texto via UEBA

7 Comments so far

  1. Jonny Ken Itaya on August 10th, 2007

    O problema é o nosso consumismo desenfreado!

    O que é mais importante: Reduzor o lixo ou economizar água?

    Se todo refrigerante 2 litros for transformado em garrafas de vidro reutilizáveis, imagine o quanto de água vai ser gasto só para lavar essas garrafas para poderem voltar ao mercado!!?

    Atualmente qual o nosso maior problema? Água ou lixo? Eu acho que é a água!

    O que precisa ser feito é um projeto de reutilização dessas garrafas! Uma garrafa pet nunca pode se transformar em garrafa novamente, mas pode ser utilizado como matéria prima para outras coisas, como pneus, calçadas, etc!

    Quando ela for valorizada como o alumínio, você não vai ver ela jogada por ai! Em alguma enchente você viu latinhas de alumínio no meio do lixão?

    Claro que não!!! Ou por que ela afundou (re re re) ou muito provavelmente porque alguém já catou ela antes!

  2. Paula on August 14th, 2007

    Acho a ideia sensacional. Prefiro mil vezes ter 4 garrafas de vidro retornaveis em casa do que saber que 4 garrafas de plastico vao pro lixo toda vez que resolvo beber alguma coisa.
    Fora saber que as garrafas PET sao derivadas de petroleo, o que aumenta ainda mais a pegada de carbono delas, em relacao ao vidro.
    Realmente nunca me incomodei de ter que retornar os vidros nao…
    Depois, acho que nao dah pra dizer quem eh o pior problema, se lixo ou agua. Acho que os dois sao problemas. E tambem acredito que as empresas que reutilizam vidros devem ter usa propria area de tratamento de agua, o que significa gastos minimos.
    Viva as embalagens de vidro!
    Abaixo as embalagens de plastico!
    Abaixo as embalagens de isopor pra carnes, frios e queijos!

  3. Ded (Debora) on August 21st, 2007

    “Uma garrafa pet nunca pode se transformar em garrafa novamente, mas pode ser utilizado como matéria prima para outras coisas, como pneus, calçadas, etc!” [2]

    Concordo, Jonny.

    Vidro eh ecologicamente correto, mas carregar um engradado cheio de garrafas cada vez que vou ao supermercado, NAO DA! Sou mais a favor das calçadas de PET. :o)

  4. Paula on August 22nd, 2007

    Soh pra sair da esfera “do acho isso, acho aquilo” e do “vou continuar fazendo o que for mais pratico e foda-se o ambiente” continuei pesquisando – ateh pq pra mim vale muito a pena trazer mais informacoes e publica-las tambem no http://rastrodecarbono.blogspot.com, obviamente com creditos pro Decodificando.
    Aih vai o resumo de uma dissertacao de mestrado pela UNICAMP que eu achei:
    “… Para gerenciar a escolha de embalagens que afetem menos o meio ambiente é utilizada a Avaliação de Ciclo de Vida. Esta ferramenta permite medir os impactos gerados e também a utilização de recursos naturais, desde a extração de matéria-prima até a disposição final. Neste estudo foi feita a comparação entre garrafas de vidro retomáveis e garrafas de PET não retornáveis, em relação ao consumo de energia e emissão de dióxido de carbono. No ciclo de vida das garrafas foram consideradas as etapas de fabricação, distribuição e reutilização. O resultado obtido mostra que as garrafas de vidro são melhores em relação ao consumo de energia e emissão de dióxido de carbono para pequenas distâncias percorridas, mesmo que estas tenham que retomar á indústria para serem lavadas. Entretanto, dados como distancia percorrida para distribuição do produto e o número de vezes que a garrafa de vidro pode ser reutilizada, pode alterar os resultados na comparação final”
    e aih vai o link:
    http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000376961

  5. Ana Carmen on October 16th, 2007

    Também me lembro dos engradados de garrafas, que precisavam ser lavadas antes da armazenagem, para não virarem lanchonete das baratas.

    Mas será que era assim tão mal? Talvez tenhamos nos habituado a descartar tudo, hoje as festinhas têm pratinhos e garfinhos de plástico, garrafas PET, enfim, são um festival de descartáveis.

  6. […] editado] Estava respondendo a um email da Ana Carmen e me veio um outro exemplo que discutimos nesse texto e no episódio 7 do podcast Decodificando. O que vale mais a pena: Usar garrafa pet ou garrafa […]

  7. Emilio Becker on June 15th, 2010

    A solução para o problema seria Retornar a Garrafa Pet ao Fabricante, pois o é dele o problema e não do consumidor. Teriamos que ter uma lei que determinasse o destido final de cada produto após o uso de responsabilidade do fabricante.

Leave a reply