Episódio 10 – Legalização do Aborto no Brasil

Voltamos com um tema bem polêmico: A legalização do aborto no Brasil. Discutimos a parte biológica, jurídica, etc.

Não se esqueçam… vocês podem mandar comentários em MP3 ou via audio no Gtalk para podcastdecodificando ARROBA gmail.com . O Decodificando agradece 🙂

0’00” – Abertura: Rafael Portillo, do blog “Teia de Podcasts
0’30” – Considerações iniciais e Campus Party
** – Palestras da CBN e do Campus Party
2’20” – Comentários do Episódio 9 – Rodízio em SP, CPMF, Jeremias e Plágio na Internet
5’20” – Aborto
6’10” – O que é Aborto? (conceitos biológicos e jurídicos)
7’30” – Métodos abortivos mais utilizados
16’00” – Teorias sobre quando começa a vida
20’20”- O que é vida?
** 20’30” Estudo durante a ditadura militar sobre esterilização da população carente
** 23’40” Foto da bicicleta na China
Feto resultante de aborto abandonado na China

(fonte: artigo de Abigail Haworth publicado na revista Marie Claire de Junho de 2001 – edição norte-americana)
** 26’10” Noticia sobre a criança abandonada embaixo do carro
26’30” – Problemas sócio-econômicos
34’00” – Posso processar uma empresa por falha no método contraceptivo?
36’15” – Aborto de Anencéfalo
** 38’00” – Criança anencéfala completa 1 ano
42’00” – Opiniões
** 42’10” Canha, do Podcast Digital Paper
** 45’00” Jucely Benfatti Coimbra, médica psiquiatra e psicoterapeuta
** 50’00” Jonny
** 53’00” Danielle
** 56’00” Amanda
58’30” – “Bolsa Estupro”
60’00” – Motivos religiosos durante a votação

Downloads:
Episódio 10 (MP3, 64 kbps, 64′07″, 29,42 MB)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


Episódio 10 (MP3, 16kbps, 64′07″, 7,35 MB)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


Episódio 10 zip (MP3, 64 kbps, 64′07″, 29,16 MB)

Compartilhe este texto via Orkut Compartilhe este texto via Facebook Compartilhe este texto via Twitter Compartilhe este texto via UEBA

14 Comments so far

  1. Carlos Fran on March 7th, 2008

    O instinto natural é que preservemos a vida em qualquer hipótese, e em meio a dúvida, a decisão deve ser a mais protetiva a vida.

    “Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e a propriedade, nos termos seguintes:
    (…)
    III – ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
    (…)”

    “Art 1º. III – a dignidade da pessoa humana;”

    Acho que o mundo, por mais feia que a realidade seja, precisa de pessoas que vão mais além, que são capazes de fazer a diferença.
    Se vai ter um filho com problemas, se é conseqüência de um Estupro, se é causa de falha de método contraceptivo ou qualquer que seja o motivo, o ser humano deve ter a capacidade de sempre preservar a vida. Pai é quem ama e cria, mãe é aquela que ama e cria, não é aquele que somente carrega na barriga… (barriga de aluguel), nem aquele que somente colabora na hora boa…

    O ser humano anda destruindo tudo (da natureza à ele próprio)… Não sabemos onde iremos parar.

    Quanto as meninas de 14 anos e o “Bolsa Estupro”, são problema de uma falta de educação. Bolsa Estupro acabará no que temos hoje em interiores. Por cada filho o casal recebe 600 reais do governo (esqueci o nome, quando lembrar volto aqui). E todos pensam em ter os 600s, digo, os filhos… E as meninas de 14 que engravidam (normalmente, pobres, baixa escolaridade e com algum problema na familia) vão para o interior pelo menos até receber os 600.. quando não arrumam uma forma de ficar na cidade e receber os 600, é 600, é 600… a criança nem ganha nome antes que acabe os 600… é chamado de 600s, 600as… (humor negro)
    Também sou contra certas decisões influênciadas pela religião de um político, nesses casos uma boa é o plebiscito, mas aí vem a questão da educação/conciêntização dos indivíduos que formam essa sociedade… O povo não ler que preste, não tem opinião formada e vende-troca-aluga-faz-qualquer-negocio com o direito que tem.
    Fica difícil…

    Abraços!
    PS
    {
    – Jonny – Tava meio aéreo no pod, se perdendo direto.
    – Dany – Gostei das informações referentes a Direito, e se vc reparar tem um momento que você diz: Vamos começar do começo…rsrsrs ficou meio engraçado. 😀
    – Amanda – Colocando sempre o Jonny nos eixos…
    }
    Sem mais. Parabéns pelo trabalho. Muito bom. Pretendo ouvir o episódio mais vezes pra me inteirar de alguns aspectos.

  2. Canha on March 9th, 2008

    aisuheiuahsiueas
    “A vida começa aos 40”. asiuehaiushe

    Sobre a parte da igreja católica, concordo com vocês. A igreja diz para não usarem camisinhas e os cientistas vão contra isso dizendo que esta ação ajudaria a propagar as DSTs. Agora, quem dá ouvidos a igreja neste tópico, realmente não vão ter relações carnais com o sexo oposto fora do casamento e sem fins reprodutivos. Acho difícil alguém dizer “ok igreja, não vou usar camisinha, mas eu VOU pular de galho em galho o quanto eu quiser”.

    Quanto a doutora falar que o aborto é um mal, ela não responde por que é um mal ou é impressão minha?

    Enfim, podcast bem bacana além de polêmico, mas creio que vocês cobriram todos os aspectos importantes.

    Abraços a todos

  3. Jonny Ken Itaya on March 10th, 2008

    Canha

    O que eu entendi é que o Aborto é um mal porque não tem como você se livrar desse carma depois… isso vai ficar martelando para o resto da sua vida!!

  4. Amanda on March 10th, 2008

    Canha,
    A doutora diz que é um mal pq vai contra o instinto biológico da vida e pq gera um trauma na mulher. Como ela disse, acho que é meio óbvio pq é um mal…
    Abraço

  5. Amanda on March 10th, 2008

    Quando digo um trauma, não é um TRAAAUMA em todos os casos, mas com certeza algum dano à saúde psicológica da mulher.

  6. Dani on March 10th, 2008

    O maior problema para mim de se justificar algo como sendo “obvio” é que o argumento acaba ficando vazio e acaba-se com a possibilidade de debate.

    O obvio normalmente quer dizer que os motivos são absolutamente claros para a pessoa, mas pode ser que eles não sejam para aqueles que estão do lado de fora, e dai se não forem explicados claramente os motivos pelo qual aquilo é obvio para a pessoa, não para discutir a força dos argumentos.

    Alias, acho que essa foi a principal finalidade do nosso episodio 10, explicar alguns argumentos (prós e contras), sem pretenção de convencer os ouvintes de uma ou outra posição) mas tentar deixar claro as razões pelas quais ser a favor ou contra.

  7. […] 10- Legalização do Aborto no Brasil […]

  8. […] algumas semanas que gravamos o episódio 10 do podcast decodificando (que foi ao ar na semana passada), e logo em seguida começaram a surgir os comentários sobre a […]

  9. didi on March 17th, 2008

    Olá, pessoal, fiquei de noite ouvindo todo o estudo de vocês sobre esse assunto tão complicado. Adorei! E a conversa sobre democracia e voto no final foi bem interessante. Um abraço e continuem produzindo episódios!

  10. […] achei que já tinha lembrado de todas as coisas possíveis para falar a respeito do aborto (com o episódio 10 do Decodificando e o post de ontem) mas quando o Jonny me mostrou o video publicado no LadyBug Brasil, eu parei para […]

  11. […] na quinta-feira o Episódio 10 do Podcast Decodificando. Deixei de lado a tecnologia para tratar de um tema de saúde pública: O Aborto no […]

  12. […] achei que já tinha lembrado de todas as coisas possíveis para falar a respeito do aborto (com o episódio 10 do Decodificando e o post de 12 de março) mas quando o Jonny me mostrou o video publicado no LadyBug Brasil, eu […]

  13. L.M.R on June 22nd, 2008

    porque deveria ir para prisao quem comete aborto?
    ipokritos!
    se uma menina de apenas 14 anos mao informada, com problemas pysicologicos e familiar e se a familia com condicoes de salvar o futuro desta crianca.que nem a escola terminou? porque isto? ipókritas quem escreveu isto!

  14. Roberta on August 16th, 2008

    obs: O remédio contra enjôo da década de 60 que o Jonny falou … talidomida!

    Sobre aborto eugenico e feto anencéfalo… deveríamos pensar que com o desenvolvimento de técnicas médicas e todo o aparato tecnológico com o qual contamos para salvar tantas vidas podemos estar também impedindo o curso natural das coisas: a seleção natural. Qual seria o objetivo de gerar seres que não podem se desenvolver plenamente? Será que isso não seria um egoísmo por parte dos pais só porque desejam ter filhos?
    E sobre *aborto/vida*… o que se ouve é… *Ah… não se pode abortar pq vai se estar interrompendo uma vida*… Afinal, não abortar e deixar nascer uma criança sem que haja uma estrutura (psicológica, financeira, amorosa, etc).. Eu pergunto: mas que *vida* é essa que esta criança vai ter se for criada sem amor, sendo indesejada, em condições desagradáveis?? Acho que há mto mais fatores em questão do que os simples conceitos pré-estabelecidos. Cada caso é um caso. Questão complexa, por isso acho que a resposta não pode – e nem deve – ser uma só, padrão para todas as situações. É isso.
    Um abraço e parabéns pela idéia do podcast! Roberta 🙂

    obs: wikipedia: Seleção natural é um processo da evolução proposto por Charles Darwin e aceito pelo mainstream da comunidade científica como a melhor explicação para a adaptação e especialização dos seres vivos como evidenciado pelo registro fóssil. Outros mecanismos de evolução incluem deriva genética, fluxo gênico e pressão de mutação.Assim, certas caraterísticas são preservadas devido à vantagem seletiva que conferem a seus portadores, permitindo que um indivíduo deixe mais descendentes que os indivíduos sem essas características. Eventualmente, através de várias iterações desses processos, os organismos podem desenvolver características adaptativas mais e mais complexas.

Leave a reply