Episódio 12 – Vestibular, Pós graduação, OAB, etc

(Jonny, Paula Signorini e Carlos Hotta – fonte: arquivo pessoal)

Nesta edição falamos um pouco sobre carreiras… O problema do ingresso na faculdade e o que se fazer após terminar ela. Também entrevistamos o Carlos Hotta, que fala um pouco sobre a pós-graduação em Cambridge, Inglaterra.

Mandem comentários via texto (ai em baixo) ou ou audio/mp3 para o usuário podcastdecodificando ARROBA gmail.com

Downloads (clique > para ouvir):
Episódio 12 (MP3, 64 kbps, 72′00″, 34,15MB)

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


Episódio 12 baixa qualidade (MP3, 16kbps, 72′00″, 8,55MB) – Para conexão discada / celular.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.


Episódio 12 zip (MP3, 64 kbps, 72′00″, 33,81MB)

0’00” – Abertura: Johnny C do http://www.proveisso.net
1’00” – Podpesquisa – http://pesquisa.abpod.org
1’30” – Revista Feed-se. O primeiro agregador de feeds em revista do Brasil. http://www.feed-se.com.br
1’50” – Comentários do episódio 11
8’10” – Comentários em audio da Garota sem Fio
13’00”Problema de verba na pós-graduação pelo Brasil.
15’00” – Explicando um pouco a pós-graduação
16’30”Aumento das bolsas CNPq
17’00” – Diferenças entre pós Lactu senso X Strictu senso e Mestrado X Doutorado
18’00” – Doutorado direto é uma boa?
21’00” – O que fazer depois de terminar a faculdade de direito – Exame da Ordem dos advogados do Brasil – OAB
23’30” – Cursos de graduação cada vez mais especializados
27’00” – Qualidade do vestibular
32’10” – Provão após a graduação
34’00” – Exame da OAB
Exame da ordem 134 – 39,8% passaram da 1ª fase
Exame da OAB-SP reprova mais de 70,83% dos bacharéis; veja lista de aprovados
Universidades públicas aprovam mais de 60% no exame da OAB
39’30”Senado coloca em votação a regulamentação da carreira de Analista de Sistemas
Concurso para analista de sistemas exige carreira na área
46’00”Proibir funcionário de estudar faz Aché pagar R$36.000,00 de indenização
52’10” – Cursos a distância
56’00” – Danyllo, do Argumentandum, escreve sobre o Decodificando
57’00” – Participação no 68ª edição do Podcast Código Livre e da 13ª edição do Podcast Digital Paper durante nossa viagem em Curitiba
58’00” – Carlos Hotta fala sobre como é a pós-graduação na Unversidade de Cambridge, Inglaterra
Link: Brontossauros no meu Jardim
Link: Joguinhos Viciantes
Link: Rastro de Carbono
63’00” – Decodificando X Podcast Digital Paper
67’00” – Final especial
69’10” – Parte da nossa participação no 68ª edição do Podcast Código Livre e da 13ª edição do Podcast Digital

Compartilhe este texto via Orkut Compartilhe este texto via Facebook Compartilhe este texto via Twitter Compartilhe este texto via UEBA

30 Comments so far

  1. Paula on May 14th, 2008

    Vim procurar novidades do projeto plantinhas e dou de cara comigo!
    Preferia o projeto plantinhas…

    Beijocas

    PS.: Devo, não nego, ouço o podcast quando puder.

  2. Klaudin on May 14th, 2008

    Comparar autodidata e formados, não é fácil, conhecimento e talento é algo muito relativo, eu sou autodidata no ramo que atuo (desenhos 3D), tranquei minha faculdade de engenharia telecom no quarto ano, e não pretendo terminar, pois considero 4 anos perdidos, não quero ter um diploma apenas para pregar na parede, e muito menos ter um emprego só porque sou formado, aprendi muito pouco no curso, não chega nem perto do aprendi atuando em 4 anos.

    Com certeza vale mais a experiência e habilidade do que diploma e estudo (digamos assistido), o mundo é dos fuçadores..rs.. conheço, inúmeros formados na minha área que não sabem o minímo para executar algo decente.

    convenhamos, digo isso considerando meu ramo de atuação e quase formação, tecnologia e desenho. para áreas humanas acho que isso nunca deve ser cogitado, talvez por isso a Dani disse que TI é o ramo que mais aparece fuçadores.

    Eu também sofro com o que o Jonny disse, mas ao contrário, o vizinho formado, e sem experiência, cobra bem menos do que eu sem diploma, pois não tem a consciência real de como é o campo.

    desculpe o comment grande, quando der mando um em audio..

    abraço, e parabéns pelo podcast.

  3. Johnny C on May 14th, 2008

    eu!? na abertura?! shoooooow =D pena q eu to correndo pra me arrumar e sair! prometo que na volta eu ouço! (e adivinha se meu google reader já não passou dos 50 não-lidos de novo!?)

    abraços xará!

  4. Johnny C on May 15th, 2008

    esse papo da graduação mais específica é o que eu vivo rs… me formei em Administração de Redes e depois pós em Segurança da Informação. Em compensação, desencantei da área, e mês que vem to prestando UnB – Comunicação Social.

    Não digo que me arrependo, mas uma coisa que eu senti falta na minha graduação – completamente nada a ver com a coisa de currículo e conteúdo – é aquela coisa da vida de faculdade que todo mundo fala, de festas, de passar 4 anos num lugar (nem no trampo eu passo 4 anos no mesmo lugar kkk), de se foder em prova, etc etc…

    sobre as cotas, eu concordo… sou contra. o povo fala sobre racismo, mas cotas não é uma forma de racismo? “oh tadinho, ele é negro, precisa de ajuda”?! isso é idiota, pura e simplesmente, na minha opinião.

    pois é, quando será que vai rolar a profissionalização dos analistas… uma ótima pergunta né? Afinal, pra ser dentista, psicólogo, médico, advogado e tal… tem que ter registro e tudo mais. E eu tanto acredito nessa coisa não só pra informática, mas em qualquer tipo de área, tanto que vou prestar UnB – Comunicação Social esse ano, e pretendo seguir pra área de publicidade =)

    chega de comentar, tenho que correr pra almoçar e ir pro trampo! =) continuem com esse ótimo podcast!

  5. Renato Giovanny on May 15th, 2008

    Ótimo o podcast de vocês. Meu comentário vai ser gigante, então vou dividir em partes:
    1 – Ensino de matérias relacionadas a direito e legislação.
    Acho que deveria haver uma atenção maior com matérias sobre nossas instituições e legislações no ensino médio. Mas que governo se interessaria em formar cidadãos conscientes? Daí empurram, física, química, biologia e ensino religioso (religioso o cascalho, é ensino católico mesmo) pra encher o curriculum (leia “lingüiça”). Não que as 3 primeiras não sejam matérias interessantes. Eu diria que também são essenciais, mas não necessitam de tanto aprofundamento. Acho mais interessante um cidadão conhecer seus direitos do que conhecer algumas formulas, que talvez nunca sejam usadas. Se o aluno desejar se aprofundar, que o faça no ensino superior.

    2 – Fuçadores x profissionais graduados
    Concordo que a informática é a área com maior número proporcional de fuçadores em relação aos profissionais com formação técnica ou superior em instituição reconhecida. Mas isso já aconteceu antes na história da humanidade, basta lembrar dos dentistas práticos. Quanto a competência, não acho que a habilidade natural de aprender sozinho a “fuçar” , em qualquer ramo, dispense a formação acadêmica. No futuro, o mercado se ajustará e os profissionais sem qualificação serão marginalizados até chegar a extinção. Não que eles vão morrer, mas vão ter que profissionalizar ou buscar outra atividade. Algumas áreas da informática nem exigem curso superior, basta um curso técnico.

    3 – Fiquei de queixo caído com a história da empresa que desestimulava seus funcionários a estudarem. Isso porque onde trabalho, o chefe até paga 50% do curso de alguns funcionários.

    Abraços lúcidos!
    Renato Giovanny

  6. [...] Para ouvir acesse: PODCAST DECODIFICANDO – Episódio 12. [...]

  7. Alexandre Sena on May 17th, 2008

    Excelente programa, vocês foram muito felizes na escolha do tema.

    Quanto aos bacharéis de Direito, complementando o que a Dani Tostes falou, muitos fazem esse curso exclusivamente para seguir na carreira pública. E, diferentemente de carreiras como promotor e juiz, que exigem prática jurídica, há as carreiras de Analista Judiciário ou Analista Legislativo, área fim, que só exigem o diploma de Direito, sem necessidade de experiência como advogado.

    Aqui em Brasilia, terra dos funcionários públicos, é difícil não ter alguém na família fazendo faculdade de Direito. Aliás, muita gente faz “o curso dos sonhos”, depois se frustra com a carreira e os baixos salários e vai fazer Direito. Até eu quero cursar Direito algum dia, sabe Deus quando.

    Abraços e até a próxima!

  8. José Brasil Paranhos on May 24th, 2008

    “Cursos de graduação cada vez mais especializados”
    “Cursos a distância”

    Crianças, saiam da escola !

    existe vida fora do funcionalismo público e não dependente das beneces do estado…

    Empresas privadas já preferem gente especializada, do que generalistas…
    —————————————
    “Qualidade do vestibular/Provão após a graduação/Exame da OAB”

    Provão/Enade foi inventado para avaliar a qualidade das escolas; e só um foco de comunistas (anti-competitivos) como a USP, para incentivar os alunos a boicotar tal exame…
    é por isso que o PT assim que chegou ao poder acabou com o provão (por causa dos comunistas da USP), e quando percebeu a burrada (as escolas ruins iriam continuar funcionando) criou o Enade.

    Qualidade do Vestibular está relacionada com a qualidade do ensino médio/Básico e é por isso que a garotada de 12 anos passou no vestibular da faculdade como mostrado na TV. a prova foi feita para alunos que tiveram um ensino médio de péssima qualidade…

    Exame da OAB foi inventado para reservar mercado para famílias tradicionais de advogados – prática típica dos patriarcados romanos. e acabou valendo mais que o tal “Provão” Boicotado pelos comunistas… Porque os USPeiros não boicotam o tal Exame da OAB? Porque será?
    ———————————-

    Em tempo: Reparei de vocês, um certo preconceito contra escolas privadas, eletrifiquem seus neurônios:

    As faculdades públicas são melhores ou os alunos das faculdades públicas são melhores ?

    PENSE NISSO ! (© Adriana Saito)

  9. Jonny on May 25th, 2008

    Olá José…

    Eu costumo responder as mensagens no dia da gravação, mas como só deus sabe quando vamos gravar novamente, então vou responder por aqui mesmo…

    Você disse que empresas preferem gente de cursos especializadas à cursos generalistas. Na maioria das empresas que eu conheço, a preferência sempre é por pessoas de um curso mais abrangente e com uma especialização. Cursos específicos podem até ser bons, mas para o aluno acaba fechando diversas outras portas.

    Mas vou falar de biologia… Do jeito que as coisas andam, ontem formavamos biólogos. Hoje formamos biólogos especializados em zoologia. Amanhã formaremos zoólogos e de depois formaremos aracnólogos e ornitólogos… E isso é pessimo para a evolução do conhecimento. Muitas vezes a ciência não anda pelo simples fato de um biólogo não conhecer física… Será que daqui a alguns anos a graduação estará tão especializada a ponto de um zoólogo não conseguir resolver um problema por não conhecer botânica?

    Quanto ao provão… Você chegou a ver alguma prova? Eu cheguei a fazer o provão de biologia. Além da experiência que eu falei sobre aplicar a prova para bixos, eu apliquei algumas questões para alunos meus do EJA (ensino de jovens e adultos) na sala equivalente a 6a e 7a série, e que resolveram sem maiores dificuldades!!

    Isso é prova que mede conhecimento ou a qualidade do curso??? Primeiro que fazer uma prova teste é RIDÍCULO, e em 2o lugar, em nenhum momento as provas nos fizeram pensar!!! Eu sai indignado porque até onde eu me lembre, nenhuma pergunta exigia aplicação de conhecimento. ah sim!!! tinha análises de gráficos que um matemático que não conhece nada de biologia poderia resolver!

    Até onde eu me lembro, o pessoal não era contra a avaliação, mas sim eram a favor é de uma avaliação de qualidade!!

    Outro problema é que o provão era igual para todas as regiões!!!! Ou seja, eles ignoravam completamente as diferenças regionais dos cursos. (não, os cursos não são especializados em cada região, eles só possuem diferenças).

    em relação a qualidade do vestibular, o problema que eu vejo é que muitas vezes a prova é muito mal feita, exigindo decorebas e mais decorebas. Eu gosto muito das provas da Unicamp ou até mesmo a do ENEM (que não é vestibular), que fazem o aluno resolver problemas pensando e não decorando…

    A parte da OAB vou deixar para a Dani responder.

    Eu não tenho preconceitos contra faculdades privadas! Posso citar VÁRIAS excelentes, como engenharia na Maua e na FEI, direito na PUC, odontologia e humanas na UNIP, odonto na Metodista, etc. E em um dos textos (não lembro se foi aqui ou no infoblog ou no Orkut) eu falei o que acredito fielmente que a USP só é o que é porque é gratuita e por causa disso o vestibular se torna hiper concorrido, e acabam selecionando bons alunos. Mas lá temos locais com PÉSSIMA infra estrutura e diversos cursos com falta de professores!

    Mas eu também digo que o aluno é que faz seu currículo. Voltando ao o que as empresas preferem, muitas vezes as empresas dão mais valor a um estudante de engenharia que estuda em uma faculdade nem tão conceituada mas que desenvolveu comprovadamente vários projetos interessantes e deixam de lado estudantes que acabam adquirindo muita teoria em uma ótima faculdade mas deixa de lado a experiência…

    Obrigado pela sua participação. Infelizmente em 1 hora não dá para falar sobre um assunto tão controverso como esse.

  10. Jonny on May 25th, 2008

    ah!!

    Esqueci de comentar uma coisa:

    A principal diferença do exame da OAB e do provão é que a OAB avalia o candidato, e o provão avalia a instituição.

  11. Amanda on May 25th, 2008

    Caro José,
    Óbvio que existe vida fora do funcionalismo público, nunca dissemos o contrário.
    Sua visão da USP é um pouco retrógrada , da época da ditadura… comunistas… hahaha. Hoje, a grande maioria dos uspianos estão muito mais preocupados em estudar e fazer festa do que com a política. E, ao contrário do você disse, a USP nunca incentivou seus alunos a boicotarem o Provão, pelo contrário, os alunos que não realizassem a prova não recebiam seus diplomas. Como o Jonny disse, a grande questão em torno do Provão é que ele não avalia coisa alguma. Talvez por isso ele tenha acabado. Você acha que o PT faria alguma coisa para favorecer a USP, com PSDB no governo estadual? Eu acho que não… Creio que alguma forma de avaliação deve existir para limitar pelo menos um pouco a disseminação das faculdades de baixa qualidade, se o ENADE é a melhor opção eu já não sei. Essa coisa de avaliação é bem complicada, todo mundo reclama, mas ninguém propõe um método efetivo, mas com os erros e acertos um dia a gente consegue. Tomara que não demore. Bom mesmo será o dia em que todos terão direito a um ensino de qualidade. Tal dia só chegará quando nossos governantes perceberem que o desenvolvimento do país depende de uma população consciente de seus direitos e deveres, que exerça plenamente sua cidadania, para um bem maior, e não de uma população alienada e miserável, que dá o seu voto em troca de um saco de arroz.

  12. Danielle Toste on May 26th, 2008

    Como o Jonny deixou para eu responder a questão da OAB me sinto propensa a dizer alguma coisa, ainda que não haja nada a dizer.

    Honestamente não entendi o motivo pelo qual se afirma que “Exame da OAB foi inventado para reservar mercado para famílias tradicionais de advogados”. Não vejo nenhum motivo pelo qual a prova da OAB dê privilegios a pessoas de familias tradicionais em detrimento de outras pessoas. Alias, acho até que está mais para o contrário, ao menos dentro do circulo de pessoas que eu conheço.

    De qualquer maneira, existe muita briga sobre esse negocio de exame da ordem. Eu,particularmente, não sou de familia tradicional de advogados, mas sou a favor do exame, por um simples motivo: o advogado é indispensavel para a administração da justiça, e com isso o que se faz é exigir uma qualificação mínima para o exercicio desse papel.

    Ainda com o exame vemos profissionais pouco qualificados atuando na area, sendo que o que é cobrado no exame é somente aquilo que deve ser ensinado durante a formação. Alias, o Jonny disse muito bem, a finalidade do exame da ordem e do provão são totalmente distintos, o exame da ordem serve para o exercicio da advocacia, apenas.

    Por fim, sobre o preconceito com escolas privadas: Acho que o Jonny também ja disse tudo, existem ótimas escolas privadas, como a PUC ou Makenzie para Direito. E acredito mesmo que são os alunos que fazem a universidade mas eu acho que é importante também o nível de cobrança das instituições.

  13. José Brasil Paranhos on May 26th, 2008

    Saiam da escola crianças…

    Saiam dos meios de sobrevivência públicos…

    Os CoMuNistas Uspeiros são os professores meus jovens… não os alunos, que na sua maioria, são alienados politicamente (classe média conSuMista) perguntaram as seus professores, quantos deles já trabalharam na iniciativa privada ou no mercado competitivo? aposto que a maioria deles estão na sequência: Faculdade pública > concurso público > mestrado público> pesquisa pública de “teoria das cordas” que não vai gerar nada para o país…

    É óbvio que existem exceções, mas é a maioria quem faz a fama(o Lula que o diga…).

    O comunismo Uspeiro está tão arraigado, que não entenderam nada do que eu disse…
    -Boicote ao Provão: ativismo comunista, anti-competitivismo(“igualdade de valor, mesmo para ‘produtos’ de qualidade inferior!”).

    -Exame OAB, para famílias tradicionais (quando foi criado), embora a sua execução seja ética, representa: reserva de mercado (ativismo ditatorial-”Só os membros do partido, podem comprar/vender neste mercado” – Lembra da URSS?). Ou seja: você se forma como advogado, mas não pode representar nenhuma causa, se não tiver a autorização do “partido”, embora o país lhe conceda tal autorização através de seu diploma, por isso que foi instituido pelas famílias tradicionais (pode reparar que os membros destas famílias passam de primeira no exame, não sei se é direcionado, mas que é estranho, é.)

    Me desculpo por ter lhe acasado de preconceituoso contra escolas privadas, apenas me pareceu.Eu sou formado em faculdade pública, porém lhes garanto uma coisa: na área de engenharia, as faculdades privadas estão formando melhores engenheiros que nas públicas, simplesmente pela razão dos equipamentos públicos estarem sucateados/ultrapassados (década de 70 e 80), e também pelo fato de alunos de escola privada, geralmente ter alguma experiência no mercado de trabalho.

    Eu sei, que meu comentário não agradou muito, Fazer o Quê… Eu nunca agradei muito ninguém mesmo. Monalisa que o diga.

  14. Jonny on May 26th, 2008

    José Brasil Paranhos

    Faz uns 5 anos que eu não me envolvo com nada da USP, então vou falar um pouco do que eu me lembro DA BIOLOGIA (não vale para o resto da USP).

    1- Mercado de trabalho para biólogos em empresas privadas? É um mercado que praticamente NÃO EXISTE. Obviamente descontando os professores de escolas e universidades particulares… Então o caminho mais óbvio é realmente graduação > mestrado > doutorado > Docência.

    2- pesquisas inúteis? Não sei de que estado você é, mas a Fapesp, que é o órgão que financia boas partes das pesquisas de São Paulo (em universidades públicas e privadas) tem todo uma política de investimentos. Ou seja, pesquisas que você considera “nada” provavelmente são muito bem analisadas, e se realmente forem um “nada”, não recebem financiamento.

    3- E quem disse que pesquisas que não vai gerar nada ao país são pesquisas inúteis? Primeiro que as pesquisas básicas podem não ser úteis hoje, mas em algum momento serão a base para alguma pesquisa posterior.
    O que pode se discutir é a aplicação do dinheiro e a prioridade de resultados. Alguns (provavelmente como você) defendem que o $$$ deve ser investido em pesquisas com resultados a curto prazo (pesquisas aplicadas). Outros acham que se deve investir totalmente em pesquisas básicas, para conseguimos embasamento teórico para nossos estudos futuros.

    Para se ter uma idéia de como estavamos, na parte genômica chovia investimentos para pesquisa, enquanto na parte de botânica o $$$ para investimento foi secando… secando… E na minha opinião, um não é mais importante que o outro.

    Quanto aos professores da USP, durante a minha graduação peguei 3 grandes greves gerais, e boa parte dos professores da biologia só pararam de dar aula por causa da greve dos estudantes por melhores condições de ensino.

    4- Acho que você não entendeu muito sobre o boicote ao provão. A idéia era lutar por uma prova que AVALIASSE as instituições de ensino de modo mais completo, e não pela causa que você disse!

    Arrisco a dizer que até o ranking Playboy das universidades é mais bem elaborado e leva muito mais fatores em consideração do que o provão!

    A CAPES já possui um ranking de pós-graduação e de pesquisa. Por que não fazer algo semelhante para a graduação?

    A Avaliação É NECESSÁRIA!!! Mas não como era feita com o provão!

    5- Muitas críticas… gostaria de saber o que você acharia interessante como solução, tanto para o provão, quanto para o exame da Ordem.

    6- Será que existe uma pesquisa sobre se os estudantes de direito aprovam o exame da OAB para conseguir sua “licença” de advogado? Eu acredito que a maioria seria a favor.

    7- Eu não posso tomar a USP como parâmetro para universidades Públicas. Como eu disse no podcast, na minha passagem pelo Paraná deu para ver que eles sofrem com a falta de verba do governo federal. Com certeza isso atrapalha na formação do profissional, seja de biologia, seja de engenharia. Conforme eu disse, algumas faculdades como FEI ou a Mauá são centros de tecnologia fantásticas, mas temos o ITA que também é fantástica e é publica.

    8- Seu comentário pode não ter agradado, mas é debate sobre assuntos relativos ao tema. Podemos quebrar um puta pau e no final tomarmos uma cerveja, como se tivessemos discutindo que o Sócrates foi muito melhor que o Zico! São diferentes pontos de vista.

    O importante é não levar para o lado pessoal.

    Jonny

  15. Phoebe on May 26th, 2008

    Jonny, depois do seu aviso, vim dar uma conferida na discussão! Pena que não vou poder ouvir o podcast agora, só à noite, mas pelo teor dos comentários já dá para sentir mais ou menos quais foram os temas mais polêmicos.

    Eu sou formada em Direito por uma universidade pública e sei que, infelizmente, o que faz a diferença são mesmo os alunos, já que a instituição em si é sofrível. Greves intermináveis, falta de estrutura, biblioteca desatualizada, professores cheios de compromissos extras… Ao contrário do que foi citado aí acima, não tive nenhum “professor de carreira”. Todos tinham um outro cargo, sendo o magistério uma atividade secundária (quase todos eram juízes, promotores, Procuradores da República, Advogados da União, Procuradores do Trabalho, sendo uma minoria formada por advogados).

    Fiz o Provão quando ainda se chamava Provão e concordo, não mediu em nada os meus conhecimentos. É só uma forma de excluir as universidades medíocres mesmo, cursadas por aqueles alunos que mal sabem redigir um texto.

    Sobre a OAB, acho extremamente necessária e gostaria muito que fosse utilizado algum instrumento parecido para os alunos formados em Medicina. Como as provas têm se tornado mais difíceis a cada dia, com uma média de aprovação de apenas 20% dos inscritos, acaba sendo uma forma de peneirar o mercado, já que agora tem faculdade de Direito em qualquer esquina. E olha que, mesmo assim, você tira poucos advogados realmente bons… Trabalho como assessora de um juiz e vejo cada petição inicial sofrível. Dá pena pensar que alguém pagou um valor alto por aquela porcaria! Aí vc imagina no campo da Medicina, em que não há sequer um exame para excluir do mercado os péssimos profissionais. Minha filha só tem 2 anos e já foi vítima de 4 erros grosseiros de diagnóstico.

    Bjs!

  16. Amanda on May 26th, 2008

    José,
    Tudo isso é dor de cotovelo por não ter feito USP? Ou pior, anda lendo Veja demais e não tem opinião própria?
    O que há de tão ruim no funcionalismo público? Falta de competitividade? Infelizmente, mediocridade existe em todos os setores da sociedade.
    Pesquisas inúteis? Se assim o fossem, não seriam financiadas. Precisa aprimorar seu conceito de Ciência!

  17. Danielle Toste on May 26th, 2008

    Só ressaltando: a OAB é um orgao não para elitizar, mas para garantir um minimo de qualidade numa profissao essencial à administracao da justiça.

  18. Canha on May 26th, 2008

    (Só pra dizerem que não dei meu pitaco):
    Sócrates é muito melhor que Zico, sim.

    (pitaco END).

  19. Jonny on May 26th, 2008

    Alias, completando o que a Amanda disse, achar que o mundo acadêmico não existe competição, rasteira e outras birrinhas menores e maiores (bem maiores) é porque nunca participou de uma reunião de departamento ou de uma congregação!

    Eu diria que o mundo acadêmico tem bem mais competição que o mundo corporativo (comparando com todas as empresas que eu passei).

    Não sei sobre o funcionalismo público porque eu nunca vivi no meio, mas no mundo acadêmico… vixi…

  20. Danielle Toste on May 27th, 2008

    Ah, mas uma coisa que eu lembrei: você não “se forma como advogado” você se forma como bacharel de direito e conforme falamos no podcast pode exercer diversas outras profissões com esse conhecimento, apenas não a de advogado.

    Alias, como o Alexandre Sena disse mais acima, muitas pessoas fazem o curso para entrarem em outras profissões.

    Outra coisa: Quem diz que os membros de famílias tradicionais sempre passam de primeiro talvez não conheça a realidade dos bacharéis de direito, pois muitos desses são reprovados enquanto muitos dos que não são de familias tradicionais são aprovados.

    O exercício da advocacia em especifico, ao meu ver, precisa sim dessa regulamentação especial e de requisitos que garantam que as pessoas do povo serão representadas judicialmente por aqueles que cumpram o MÍNIMO dos requisitos de qualidade.

  21. José Brasil Paranhos on May 28th, 2008

    Amanda on May 26th, 2008:
    “José,
    Tudo isso é dor de cotovelo por não ter feito USP? Ou pior, anda lendo Veja demais e não tem opinião própria?”

    Essa foi a “mais legal”… depois não são influenciados pelos Uspeiros comunistas…

    Deixa pra lá… ‘ando ouvindo Podcast demais’…

    No mais: Vou cantar uma musiquinha em homenagem à ‘Bombeira’, filha do comissário Gordon.

    fale tudo que quiser de mim
    faça de conta que eu sou uma imensa lata de lixo verbal
    um objeto onde você possa despejar
    toda a malevolosidade
    não sei se existe essa palavra
    já procurei no dicionário
    pra tu ver que eu

    não sou um cara ruim
    não sou um cara ruim
    eu sei que não
    sou um cara ruim
    não sou um cara ruim

    http://br.youtube.com/watch?v=I-E9YkStZqs

  22. José Brasil Paranhos on May 28th, 2008

    Danielle Toste on May 27th, 2008:
    “Quem diz que os membros de famílias tradicionais sempre passam de primeiro talvez não conheça a realidade dos bacharéis de direito, pois muitos desses são reprovados enquanto muitos dos que não são de familias tradicionais são aprovados.”

    Procura por Advogado Paranhos no ‘gúgou’…

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ————
    Em tempo:
    a ‘Bombeira’, filha do comissário Gordon, é a visitante com Ph…

  23. Amanda on May 30th, 2008

    Diagnóstico final: dor de cotovelo mesmo!

  24. José Brasil Paranhos on June 4th, 2008

    Apagou a mensagem?

    olha a minha preocupação:”

    um abraço ‘dortora’…

  25. Wallace on June 15th, 2008

    Po, agora que eu citei vcs no meu blog vcs somem? Queremos atualização, ou promoveremos um quebra-quebra virtual! :P

  26. Amanda on June 16th, 2008

    Oi Wallace! Obrigada pelos elogios ao Decodificando! Paciência conosco, às vezes é bem difícil reunir os três integrantes… Em breve sai o novo episódio!
    Abraço

  27. Danyllo on June 23rd, 2008

    Estou com a mesma síndrome do Wallace: cito vcs no blog e vcs desaparecem… :(

  28. Danyllo on June 23rd, 2008

    Estou com a mesma síndrome do Wallace: cito vcs no blog e vcs desaparecem… :(

  29. [...] eis que, 11 podcasts depois, eu faço uma pequena ponta no Decodificando! O Jonny quis me entrevistar sobre a pós-graduação na Inglaterra e eu fui lá dar meu pitaco, [...]

  30. Edson Hercilio da Silva on December 11th, 2008

    Estou feliz,e gostaria de partiliar essa minha alegria,o fato é que minha filha com 12 anos de idade passou no concurso do Cefet/Al.como Pai min sinto honrado e agradeço a Deus p/fato.

Leave a reply